Por que tem que viajar para o Uruguai

10 boas razões para conhecer este país
O uruguai é o país de língua espanhola mais pequeno da américa do Sul e cada vez são mais os que se deixam cativar pelo seu charme discreto, a sua hospitalidade, a pitoresca Colónia, a animada Punta del Este ou o seguro e agradável passeio marítimo de Montevidéu. Vale a pena cavar um pouco mais a natureza da costa atlântica, as fontes termais do rio Uruguai, ou os passeios a cavalo por uns campos que se estendem, como oceanos.

1. CAÇAR UMA ONDA OU ASSISTIR A UMA FESTA NOTURNA EM PUNTA DEL DIABLO
Punta del Diablo, no Uruguai © Marc Veraart / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: marcveraart/12075841876
Punta del Diablo era até há algum tempo uma aldeia adormecida aos pés do Atlântico, mas, em poucos anos, se transformou em um interessante lugar de refúgio de verão para uruguaios e argentinos, e no epicentro da cena mochileira de praia. Apesar de que a urbanização descontrolada, se vai estendendo, a deslumbrante costa de Punta del Diablo e seu modo de vida tranquilo continuam mantendo o seu encanto.
Para evitar aglomerações convém ir fora de temporada alta (desde natal até fevereiro). Durante o dia você pode alugar pranchas de surf ou cavalos na principal praia ou fazer um passeio a pé de uma hora para o norte, até o Parque Nacional de Santa Teresa. À tarde se pode admirar o pôr-do-sol em frente a uma fogueira improvisada enquanto sessões de percussão animam a noite.
2. MERGULHAR NAS TERMAS PRÓXIMAS A SALTO
Construída perto das cachoeiras, onde o rio Uruguai cai no Salto Grande, Salto, é a segunda maior cidade do Uruguai, um lugar tranquilo e agradável, com alguns edifícios do século XIX. Os visitantes que chegam até aqui, o fazem para aproveitar as próximas fontes termais, como as Termas de San Nicanor, em meio a um imenso parque rural e com duas enormes piscinas termais ao ar livre, um restaurante e todo o tipo de acomodação. Também são muito famosas as Termas de Dayman, uma espécie de parque aquático tipo Disneylândia muito popular entre os argentinos e uruguaios, e as Termas de Arapey, com muitas piscinas rodeadas de jardins, fontes e caminhos.
3. PASSEAR PELA CIDADE VELHA DE MONTEVIDÉU
Teatro Solís, em Montevidéu, Uruguai © LWYang / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: lwy/5911358932
Na capital do Uruguai vive quase a metade da população do país. É uma cidade dinâmica e com uma rica vida colonial, onde se pode passear com tranquilidade e onde a música, o teatro ou a arte estão muito presentes. A área mais interessante é a Cidade Velha, a antiga grade colonial, murada, que se estende no fundo de uma península encaixada entre o porto e o rio. Existem alguns pontos-chave para descobrir a cidade, como o Mercado do Povo, com a sua imponente estrutura de ferro forjado, um lugar sempre animado e muito freqüentado por artistas, artesãos e músicos de rua da cidade. Ou a Praça da Matriz, onde se ergue o edifício neoclássico do Município e a igreja Matriz (1779), o prédio público mais antigo da cidade. Outra visita imprescindível é o teatro Solís, o principal centro cénico de Montevidéu.
4. DANÇAR AO RITMO DA PERCUSSÃO NO CARNAVAL DE MONTEVIDÉU
Os montevideanos dedicam o mês de fevereiro inteiro a desmelenarse com música e danças, fazendo concorrência aos brasileiros. O mês inicia com o imprescindível Desfile das Chamadas, duas noites em que vários grupos percorrem as ruas do bairro de Palermo e o bairro de sul, ao sudeste do centro da cidade. As rivalidades entre bairros subir enquanto uma interminável onda de dançarinos percorre as ruas ao ritmo da percussão candombe, de origem afrouruguayo, que se toca em alguns peculiares tambores.
Outro elemento imprescindível do carnaval são as murgas, grupos organizados vestes de vivas cores que representam peças originais de teatro musical, geralmente satíricos.
O carnaval conta com o seu próprio museu em Montevidéu, e fora de temporada, é possível revitalizá-lo assistir a uma das sessões informais de candombe que há nas ruas dos bairros durante todo o ano (por exemplo, em Palermo, na travessia de Ilha das Flores, com Gaboto, ou no Parque Rodó, aos domingos à tarde).
5. ISOLAR-SE NAS RESERVAS NATURAIS DE QUEBRADA DOS CORVOS E VALE DO LUNAREJO
Vale do Lunarejo, Uruguai © Marcelo Campi / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: marcelocampi/26080691025
Os imensos espaços abertos no interior do Uruguai são o sonho de qualquer naturalista. O Governo incluiu várias áreas naturais em seu programa Sistema Nacional de Áreas Protegidas. O financiamento ainda é mínima e as infra-estruturas turísticas muito rudimentares, mas os viajantes intrépidos são recompensados quando chegam a esses lugares pouco visitados. As duas reservas que melhor refletem o espírito do selvagem região gaúcha do Vale do Uruguai são Lunarejo e Quebrada dos Corvos.
Vale do Lunarejo está a 95 km ao norte de Vitória e é um ambiente tranquilo e isolado com os pássaros e os rios como única banda sonora. Os visitantes podem passar a noite na maravilhosa Pousada Lunarejo, um edifício de 1880, que foi restaurado.
A Quebrada dos Corvos é um pequeno canhão que atravessa colinas, 40 km ao noroeste de Trinta e Três (e 325 km ao nordeste de Montevidéu): um habitat úmido e fresco, ideal para uma grande variedade de aves e plantas. Para a sua estadia, é recomendável o rústico albergue Desfiladeiro do Bruxo, instalado em um antigo colégio, onde se podem experimentar os costumes dos gaúchos: viver à luz de velas, beber mate, dormir com um poncho de lã, cozinhar em fogão de lenha e observar o céu durante o pôr do sol.
6. PASSEAR PELA PITORESCA COLÔNIA DO SACRAMENTO
Às margens do Rio da Prata, a apenas 50 km em ferri de Buenos Aires, é a cidade mais histórica do país, Colônia do Sacramento, com um bairro histórico que mantém toda a estrutura da época colonial, com suas estreitas ruas de pedra e casas antigas. Colônia foi fundada em 1680, os portugueses uma estratégica localização em frente a Buenos Aires, e foi ganhando importância como fonte de rotas de contrabando que puseram em xeque o monopólio comercial português e provocaram batalhas entre Espanha e Portugal. No bairro histórico, você pode passear entre as casas coloniais, a rua dos Suspiros, ou pelo passeio de s. Gabriel, na margem ocidental do rio, o porto velho, ou pelas duas grandes praças do centro histórico. Oito museus históricos dividem o interesse dos visitantes.
7. SE PERDER NO FAROL DE CABO POLONIO
Lobos marinhos, Cabo Polonio, no Uruguai © Leo Alvarez / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: leoalvarezshoots/6799126665
Este magnífico farol oferece uma excelente perspectiva do povo de Cabo Polonio, da colônia de lobos marinhos e dunas e ilhas circundantes. Nesta aldeia de pescadores, entre dunas de areia e coroada por um farol solitário, encontra-se a segunda maior colônia de lobos marinhos mais grande do país que hoje é um Parque Nacional. Cabo Polonio continua a ser uma das populações mais virgens Uruguai. Não há serviços bancários e a eletricidade provém de geradores de energia solar e eólica.
8. PERCORRER AS RUÍNAS DE UMA PLANTA DE PROCESSAMENTO DE CARNE
Junto ao rio Uruguai, na fronteira com a Argentina, se encontra a localidade de Fray Bentos, está muito longe das áreas turísticas, mas aqui está um dos lugares uruguaios incluídos na Lista do Património Mundial da Unesco a partir de 2014. Trata-Se de uma fábrica aberta em 1865 e abandonada que foi o complexo industrial mais importante do Uruguai: a Contribuição Extract of Meat Company.
Nos anos vinte, a companhia britânica Anglo assumiu a fábrica e aqui saíam milhares e milhares de tabletes de caldo de vitela Oxo, que fizeram parte da vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Os cubos de gelo Oxo sustentaram os soldados nas trincheiras da I Guerra Mundial. Julio Verne cantou suas excelências em da Terra à Lua, Stanley levou em sua busca de Livingstone, e Scott e Hillary foram com eles até a Antártida e ao topo do Everest. Hoje a velha fábrica abriga o Museu da Revolução Industrial, onde revivem a antiga fábrica e todas as instalações e casas dos operários e engenheiros.
9. PASSAR O DIA E A NOITE EM PUNTA DEL ESTE
“A mão na Areia”, em Punta del Este, Uruguai © Martin Arnold / 500px
Punta del Este é a área mais internacional do país, um dos destinos turísticos mais glamourosos da américa do Sul, com quartos elegantes residências à beira-mar, muitas praias, um porto desportivo, edifícios de apartamentos, hotéis de luxo e restaurantes requintados. O povo é relativamente pequeno, mas os arredores são extensos e interessantes. As praias mais importantes são a longa praia Mansa, no Rio da Prata, e a praia Brava, no Atlântico, junto com a praia Dos Ingleses e a praia do Emir, freqüentadas por surfistas. O monumento mais famoso da cidade e seu símbolo é “A mão na Areia (praia Brava), uma enorme escultura que emerge das profundezas da terra.
A excursão é imprescindível José Ignacio, uma pequena cidade da moda, com um bom faro, a 30 km de Punta del Este, onde vão os ricos e famosos. Para fazer a noite, é especialmente recomendável se aproximar Lagoa Garzón, com as suas casas flutuantes, um lugar realmente exclusivo e diferente e com preços bem mais razoáveis do que os de Punta del Este.
10. APROVEITAR A VIDA DOS GAÚCHOS EM TACUAREMBÓ
Vitória é uma cidade gaúcha nas colinas de Coxilha de Haedo. Não é o tipo de lugar onde os casos de brim pedem dinheiro em troca de uma fotografia, mas onde são colocados os largas dentro das botas e calan o chapéu para ir à loja. Supostamente também é o lugar onde nasceu a lenda do tango Carlos Gardel. Capital de seu departamento, tem belas praças e ruas ladeadas de sicomoros que a convertem em uma das cidades mais agradáveis do Uruguai. No Museu do Índio e do Gaúcho rende um romântico homenagem aos gaúchos e os povos indígenas do Uruguai.
Mais informações sobre o Uruguai no guia da Argentina e do Uruguai.