Samba e fantasias, além de Rio de Janeiro

Os outros carnavais do Brasil
De 24 a 28 de fevereiro é comemorado o Carnaval no Brasil. A maioria dos estrangeiros que frequentam as festas do Rio de janeiro, mas há outros lugares onde cometer alguns pecados ao estilo brasileiro antes da Quarta-feira de Cinzas ponha fim ao folguedos. O Carnaval brasileiro arrasa praticamente em todo o Brasil e milhões de visitantes vêm para os espetaculares desfiles de fantasias, festas de rua e diversão de toda a espécie na Bahia, São Paulo, Corumbá, Olinda, Florianópolis ou Porto Seguro.

E se você não chegar a tempo para viajar em fevereiro, não há com que se preocupar: algumas cidades realizam seus carnavais fora de época.
CARNAVAL DE SALVADOR DE BAHIA
Carnaval de Salvador de Bahia, Brasil © Manu Dias / Secom – Turismo Bahia
Embora o Carnaval do Rio tem sido o alvo de toda a atenção, o de Salvador é também extraordinário, e um dos maiores do Brasil, com mais de dois milhões de participantes. A festa arranca quinta-feira à noite, quando o presidente da câmara entrega ao Rei Momo a chave da cidade, em Campo Grande (embora nos últimos anos tem sido, na Praça Castro Alves). Tudo termina na tarde da Quarta-feira de Cinzas com alguns desfiles de rua de despedida.
A alma do Carnaval é a música, interpretada principalmente por grupos da cidade famosos em todo o país, que tocam axé e pagode (o popular ritmo da Bahia) montados em trios elétricos (longos caminhões carregados com alto-falantes enormes). Entre eles estão marchando em blocos afros (poderosos corpos de carretel que promovem a cultura afrobrasileña) e afoxés (grupos ligados às tradições do candomblé). Cada trio elétrico, juntamente com seus seguidores são agrupados em um território restrito, forma um bloco. A gente gasta um dinheirão no abadá (roupa) de seu bloco, o prestígio e a segurança de estar na área limitada. A opção de fazer pipoca (fazer de pipoca), na rua é outra forma adequada de viver o Carnaval, pois permite desfrutar de vários estilos de música.
Existem três circuitos principais do desfile: Dodô, entre a Barra e Ondina, Avenida Oceânica, Osmar ou as avenidas, entre o Campo Grande e a Praça Castro Alves, pela Avenida Sete de Setembro, e Batatinha, no Pelourinho.
CARNAVAL DE FLORIANÓPOLIS
Carnaval de Florianópolis, Brasil © Revol Web / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: revolweb/16329720738
Trata-Se de um dos carnavais do Brasil mais frequentados por gays (depois do Rio), o mais importante e festiva do sul. É o momento para conhecer esta cidade dividida em duas partes muito diferentes: em terra firme zona industrial ocupa os bairros de Estreito e Coqueiros, e do outro lado da baía, a ilha abriga o centro histórico e o bairro da Beira-Mar Norte. Duas pitorescas pontes que unem as duas metades. O velho Ponte Hercílio Luz, pendente, já não está aberto ao tráfego, mas ainda ilumina o céu noturno e atua como elemento distintivo da silhueta urbana de Floripa.
CARNAVAL DE CORUMBÁ
Esta cidade, próximo da fronteira com a Bolívia, celebra um Carnaval selvagem, com grandes desfiles como os de Rio acompanhados de escolas de samba. É um dos maiores e melhores carnavais do Brasil, e cheia de vida durante alguns dias a esta calorosa e sonolenta cidade. A tradição da importaram os oficiais da Marinha, muitos de Rio, que estavam destinados aqui e sentiram a necessidade de animar um pouco o cotarro.
“Corumbaly”, a velha Corumbá é uma cidade portuária conhecida também como a Cidade Branca (Cidade Branca), a 403 km ao noroeste de Campo Grande por estrada, no alto de uma colina íngreme com o rio Paraguai, e a seus pés, na margem oposta do rio, uma vasta extensão do Pantanal dilata-se no horizonte. Dividida em duas partes, a parte alta concentra quase todo o comércio e a baixa é a antiga zona portuária. Fundada no ano de 1776, o capitão Luís de Albuquerque, Corumbá já havia se tornado o maior porto fluvial do mundo, em 1840. Os impressionantes e alegres edifícios da orla refletem a riqueza que conheceu a cidade durante o século XIX, antes da chegada da estrada de ferro, quando a cidade começou a decair.
CARNAVAL DE OLINDA
Carnaval de Olinda, Brasil © Raul / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: rds_sp/16372970690
Espontâneo, participativo e impertinente, o Carnaval dura 11 dias e começa com um desfile de mais de 400 “virgens” (homens vestidos de mulher).
A pitoresca Olinda, em uma colina coberta de floresta, a 6 km ao norte de Recife, oferece um contraponto cultural e colonial ao agitação da cidade grande. Trata-Se de uma colônia de artistas cheia de gente criativa e galerias, oficinas de artesanato, museus, igrejas coloniais e música de rua. Com sinuosas ruas ladeadas de casas coloridas antigas e vistas fabulosas das árvores, as torres das igrejas e telhados de terracota, é uma das cidades coloniais mais bonitas e preservadas do Brasil. Na cidade velha há charmosas pousadas e bons bares e restaurantes, e é uma base muito mais tranquila que a vizinha Recife.
Fundada em 1535, Olinda foi a primeira capital de Pernambuco. Embora muitos edifícios foram originalmente construídos no século XVI, a maioria do que se vê é do século XVIII e posterior. Seu centro histórico foi declarado Patrimônio Mundial pela Unesco em 1982.
CARNAVAL DE RECIFE
Um carnaval com fantasias, música variada, uma elevada participação do público (tem que ir disfarçado) e grandes festas de rua, incluindo o Galo da Madrugada, que reúne mais de dois milhões de pessoas na abertura oficial do Carnaval no sábado pela manhã.
O Carnaval do Recife é uma incrível explosão de cor, fantasia, multidões, música, dança e alegria contagiante, o que o torna uma das festas mais animadas e folclóricas do Brasil. Tem a fama de ser o melhor do país, embora atrai menos turistas do que o Rio. Se bem que se organizam centenas de eventos de música e dança em palcos por toda a cidade, o Carnaval é basicamente uma festa participativa: as pessoas não apenas se senta a ver, mas que parece elaborados trajes e dança durante dias, os ritmos brasileiros, e em especial o animado frevo do Recife.
A capital de Pernambuco é uma das cidades mais excitantes do nordeste. Conta com uma vibrante cena cultural, bons restaurantes, um impressionante centro histórico (Recife Antigo), um ambiente costeiro impressionante e um Carnaval fabuloso. Recife, chamada assim pelos recifes (recifes) costeiros que acalmam as águas do porto e litoral, tem um deslavazado centro da cidade com arranha-céus, cheias de áreas comerciais, um trânsito caótico e extensos bairros residenciais.
CARNAVAL DE PORTO SEGURO
Carnaval de Porto Seguro, Brasil © www.carnaporto-axemoi.com.br
Semelhante ao de Salvador, que dura uma semana inteira, até o sábado posterior à Quarta-feira de Cinzas. Apesar de seu pequeno centro histórico e suas casas coloniais de cores, esta cidade é mais dura do que muitas outras da Bahia, embora isso não parece se importar com as hordas de turistas brasileiros e argentinos que vêm por suas praias e a dramática marcha noturna. Muitos viajantes ficam na cidade apenas o tempo necessário para tomar o ferry que vai para a bela costa até as proximidades do povoado de Arraial d’Ajuda.
O Carnaval de Porto Seguro, o mais famoso da Bahia, depois de Salvador, é relativamente pequeno e seguro. É composto de alguns trios elétricos que percorrem a rua principal ao ritmo do axé. Durante esses dias, quase o mesmo número de turistas que frequentam as festas da vizinha Arraial d’Ajuda.
CARNAVAL DE SÃO PAULO
Carnaval de São Paulo, Brasil © Rob Alter / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: robalter/3873065056
Mas é menos arbitrária do que a maioria, o Carnaval de São Paulo, conta com um desfile espetacular em seu próprio sambódromo, interessante para a menor afluência de visitantes e os preços mais baixos.
O carnaval pode nos dar a desculpa para conhecer São Paulo, uma cidade que rivaliza com o frenesi de Nova York, a modernidade de Tóquio e os preços de Moscou, mas, além disso, supera a todas elas em opções. Possui 20 milhões de pessoas e cerca de 30 000 restaurantes, bares e locais de animação nocturna. Desde a alta cozinha contemporânea de Itaim Bibi e Jardins, até as propostas vanguardistas do Baixo Augusta e os bares boêmios da Vila Madalena, há uma saudável avalanche de bolinhos, o álcool e a música que se prolonga até o amanhecer.
CARNAVAL TODO O ANO, FORA DE TEMPORADA
Se você não pode ir ao Brasil no Carnaval, sempre há os “carnavais fora de época”.
CARNAVAL DO RIO DE JANEIRO
Carnaval do Rio de Janeiro, Brasil © Jonas de Carvalho / Para saber mais, busque no Flickr por essa foto: jonasdecarvalho/8482737521
Se houver algum leitor sem noção, o Carnaval do Rio é uma festa excepcional em que a música e a dança invadem as ruas durante dias inteiros. O grande encontro local é o espetacular desfile de gigantescas alegorias mecanizadas, arrasadoras, percussões e os dançarinos no sambódromo, embora a festa por toda a cidade para aqueles que procuram algo mais do que o espetáculo do grande estádio.
O caos aumenta com os visitantes, que se misturam com os cariocas nas festas de rua e bailes de fantasias que surgem por toda a cidade. Há alguns concertos gratuitos em diferentes pontos (perto de Arcos do Lapa, Largo do Machado e na Praça Floriano, entre outros), enquanto que aqueles que preferem algo mais decadente podem recorrer a diferentes danças que se realizam por todo o Rio.
Em qualquer caso, há que se preparar para as noites em branco, as caipirinhas e samba, além de ir predisposta para participar no alegre e repleta multidão.
Toda a informação sobre o carnaval pode consultar no suplemento dominical “Veja Rio” da revista Veja ou visitar Riotur a organização de turismo responsável do Carnaval.
Mais carnavais:
Os melhores carnavais do mundo.
Carnaval de Veneza, o reino da morte.
O Carnaval de Inverno de Quebec, Canadá.